Constelação Familiar, Matérias, Terapias Integrativas

Trauma pode ser transmitido entre gerações: como encontrar caminhos para a cura

memoria-genetica

“A saúde publica precisa urgentemente levar em conta as respostas transgeracionais humanas (….) Acredito que não entenderemos o aumento nas desordens neuropsiquiátricas ou a obesidade, diabetes e as perturbações metabólicas sem esse tipo de abordagem multigeracional”

Uma informação nada nova para quem trabalha o ser humano de forma holística: corpo-mente-espírito, mas não menos pertinente!

Trabalhos dentro do campo das Terapias Holísticas, aliados a técnicas de Gestalt-Terapia e Constelação Familiar – em grupo ou individual – podem trazer respostas profundas, compreensões mais claras e soluções para a origem dos traumas.

Se você se identifica com essa informação, procure um trabalho de Constelação Familiar em sua cidade. Acredito que todos que nos permitimos vivenciar um trabalho como este – aqueles que já viveram esta experiência participando como terapeuta ou como paciente sabem quão profundas são – curamos não apenas a nós mesmos, mas também as gerações futuras, possibilitando que o caminho que seguirão seja mais leve e fluídico, sem “pesos”.  Hoje, este tema está bastante difundido, com a possibilidade de encontrarmos grupos e terapeutas que realizam esse belo ofício também de forma gratuita.

Precisamos, igualmente, de políticas públicas que possibilitem a inserção dessas abordagens terapêuticas, principalmente para aqueles que não podem pagar por uma consulta particular. Que essa informação possa ser disseminada para que novas e viáveis iniciativas também surjam no campo da saúde pública! 😉

Um estudo feito por cientistas americanos aponta que o comportamento humano pode ser afetado por episódios vivenciados por gerações passadas por meio de uma espécie de memória genética. As pesquisas mostraram que um evento traumático pode afetar o DNA no esperma e alterar os cérebros e o comportamento das gerações futuras.

O estudo, publicado na revista científica Nature Neuroscience, indica que camundongos treinados para se esquivar de um determinado tipo de odor passaram essa aversão a seus ‘netos’. Especialistas dizem que os resultados são importantes para as pesquisas sobre fobia e ansiedade. Os animais foram treinados para temer um cheiro similar ao da flor de cerejeira. A equipe, composta por cientistas da Emory University School of Medicine, nos Estados Unidos, averiguou, então, o que estava acontecendo dentro do espermatozóide dos camundongos.

Os cientistas constataram que o trecho do DNA responsável pela sensibilidade à essência da flor de cerejeira estava mais ativo na célula reprodutiva masculina. Tanto a prole dos camundongos quanto os descendentes destes demonstraram hipersensibilidade à flor de laranjeira e se esquivaram dela, mesmo que não tenham passado pela mesma experiência. Os pesquisadores também identificaram mudanças na estrutura dos cérebros desses animais.

As experiências vivenciadas pelos pais, mesmo antes da reprodução, influenciaram fortemente tanto a estrutura quanto a função no sistema nervoso das gerações subsequentes“, concluiu o relatório.

DNA Azul cósmico

ASSUNTOS FAMILIARES

As descobertas oferecem evidência de uma “herança epigenética transgeracional”, ou seja, de que o ambiente pode afetar os genes de um indivíduos, que podem então ser transmitidos a seus herdeiros.

Um dos pesquisadores, Brian Dias, afirmou à BBC que tal característica “pode ser um mecanismo pelo qual os descendentes mostram marcas de seus antecessores”. “Não há dúvida de que o que acontece com o espermatozóide e o óvulo pode afetar as gerações futuras”.

O professor Marcus Pembrey, da Universidade College London, afirmou que as descobertas são “altamente relevantes para as fobias, ansiedade e desordens de estresse pós-traumático” e fornecem “fortes evidências” de que uma forma de memória pode ser transmitida entre gerações.

Diz ele: “A saúde publica precisa urgentemente levar em conta as respostas transgeracionais humanas”. “Acredito que não entenderemos o aumento nas desordens neuropsiquiátricas ou a obesidade, diabetes e as perturbações metabólicas sem esse tipo de abordagem multigeracional”.

 

Anúncios
Artigos, Matérias

Fast Food: opção rápida X opção saudável

saude-no-copo

Você já se perguntou, quando vai a uma loja de Fast Food, se essa seria uma opção saudável para você? Se você está nutrindo o seu corpo, sua mente e seu espírito, ou apenas “alimentando-o”? Reside aí a diferença entre “calorias cheias” – presentes em alimentos que nos nutrem com vitaminas, minerais, proteínas e ácidos graxos essenciais – e “calorias vazias”, presentes em alimentos que apenas “enchem nosso estômago”, mas “esvaziam” nosso reservatório de energia vital, de força, disposição e entusiasmo.

Nas últimas décadas, a exigência de muitas pessoas por uma vida mais saudável aumentou, deixando de ser esta uma segunda ou terceira opção na escala de prioridades da rotina. Muitos Fast Food’s foram obrigados a se adaptar à tal necessidade: MC Donald’s criando alguns tipos de saladas, smoothies e optando por sucos de frutas mais naturais;  a franquia Subway, com sua variedade de sanduíches e complementos; o crescimento vertiginoso das Temakerias, incluindo opções para vegetarianos; a franquia Saúde no Copo, uma das mais badaladas por contar com imensa variedade de sucos e vitaminas, sanduíches, wrap’s, pratos quentes, açaís, saladas e combinados saudáveis de muito bom gosto, e a diversificação de pizzas mais leves e nutritivas, com opções de queijo de búfala e tofu ao invés de mussarela.

salada

Entretanto, mesmo com todas essas opções saudáveis, vamos procurar refletir o que ainda pode estar nas “entrelinhas” e como podemos nos adaptar a essa tendência tirando proveito dela para nosso equilíbrio, nutrição e bem estar. Procuremos priorizar o tempo da refeição, da mastigação, agradecendo o alimento e percebendo-o como uma fonte de energia que nosso corpo irá receber e metabolizar para todos os sistemas e níveis do nosso Ser, assim como o combustível para um carro. Se o mercado está mudando em vista da mudança das necessidades do ser humano, cabe apenas a nós modificar essa realidade e evoluí-la!

E aqui, uma reflexão: “Tenha medo, Tenha muito…Corra muito, Trabalhe muito…Respire pouco, Pense pouco…Coma muito, Coma rápido, Coma mal…”. Você se identifica com as frases acima? Já sentiu alguma dessas sensações em sua mente? Isso é subliminarmente “entoado”, muitas vezes, como um mantra em nossas mentes, e só não percebemos mais porque está implícito ou sendo criado em baixas frequências sonoras, assim como ondas de rádio que não percebemos pelo ouvido humano, mas que nosso inconsciente capta e registra automaticamente. As mensagens subliminares encontradas nas propagandas de determinados Fast Food’s são comprovadamente criadas para estimular o apetite, a pressa, a venda e o consumismo, contribuindo para que o sistema de super-aceleração da rotina ocidental se perpetue.

Portanto, observe, crie seus “filtros de informação” diante do que é oferecido a você através de imagens, frases prontas, slogans, cores e formatos antes de optar por uma loja de Fast Food. Escolha aquilo que o trinômio corpo-mente-espírito ficarão radiantes em receber! Trate seu corpo com amor, pois ele é o seu templo! 😉

Matérias

Florais: a cura que vem da natureza

1) A terapia floral existe há, aproximadamente, quanto tempo?

A terapia floral está inserida nas terapias holísticas, fazendo parte da medicina vibracional, complementar ou alternativa, e reconhecida pela Organização Mundial da Saúde. Trata desarmonias emocionais, mentais e espirituais, que se refletem nas mais variadas formas de sintomas em nosso corpo físico. É um instrumento preventivo e terapêutico amplamente utilizado na promoção do bem-estar e na saúde como um todo.

O primeiro sistema de florais foi desenvolvido pelo médico Edward Bach, entre 1930 e 1936 na Inglaterra, hoje conhecido como Florais de Bach.

2) Existe algum índice quanto a procura, há uns 10 anos atrás e a procura hoje em dia? Ao meu ver, acredito que aumentou.

Não tenho conhecimento da publicação de um índice específico, mas, no que se refere à minha experiência pessoal com florais desde 2004, verifico que a busca pela terapia floral aumentou muito e consideravelmente.

Um exemplo disso foi a criação dos BioFlorais (http://www.bioflorais.com.br), Sistema de terapia floral da região de Atibaia (SP), com essências elaboradas dentro dos princípios metodológicos e filosóficos ensinados pelo Dr. Edward Bach e desenvolvidas pelo método solar, com o uso da Radiestesia e Radiônica. Elas são disponibilizadas hoje em compostos prontos para diversos problemas, tanto para pessoas quanto para animais, em inúmeras farmácias de manipulação, o que não dispensa a avaliação de um terapeuta floral que já tenha experiência e estudo na área para a realização de um diagnóstico mais aprofundado, pois a terapia floral busca tratar a causa do problema, e não apenas o sintoma.

Do meu ponto de vista, este crescimento é muito positivo, uma vez que os sintomas mais superficiais podem ser detectados pela própria pessoa, como ansiedade, estresse, depressão, medo, conforme foi o objetivo de Edward Bach quando publicou livros mencionando cada essência e sua atuação, possibilitando assim a acessibilidade do conhecimento a respeito dos florais.

O índice de procura dos Florais aumentou tanto que a Anvisa tentou criar entraves para o uso desta ferramenta de cura, procurando torná-los seus objetos de registro em alguns Estados, mas sem sucesso, uma vez que não são considerados remédio ou medicamento que necessitem de registro, e porque continuariam sendo procurados pela população, tendo em vista seus resultados e eficácia.

O primeiro Estado a introduzir a terapia floral no sistema de saúde pública foi o Rio de Janeiro. Após, em 2004, foi São Paulo. Em 2008, foi legalizada em Pelotas (RS). Já em 2009, em Campo Grande (MS).

Cabe ressaltar que a implantação de leis municipais legalizando as Terapias Naturais, em todos os Estados, está prevista na Portaria Ministerial 971, de 03/05/2006, a qual aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde.

Mais informações interessantes e pertinentes você encontra no site da ARTEFLOR, de Brasília: http://www.arteflor.com

3) A rotina das pessoas anda muito corrida, as pessoas não saem tanto para se divertir, ficam focadas em trabalho e estudo, isso também é reflexo da procura por terapia?

Acredito que sim. A rotina diária da sociedade ocidental e capitalista em que vivemos está cada vez mais exigente e competitiva, fator que aumenta os índices de cobrança dentro da empresa e para consigo mesmo, não havendo, muitas vezes, tempo para si, para a família, para “respirar”, muito menos para silenciar a mente. Este ritmo frenético, onde todos correm contra o relógio, nos dissocia de nossa real essência enquanto seres humanos, nossa conexão com a natureza, que é parte de nós pela bioquímica que nos rege. Desta forma, as terapias holísticas, assim como a terapia floral, tem o objetivo de resgatar esta conexão, tratando o ser humano como um todo, criando o entendimento de que ele é o Todo e o Todo reflete em si.

4) Que público mais procura, mulheres/homens, qual a idade?

As mulheres procuram mais que os homens. Geralmente, quando é um casal, a esposa procura primeiro e o marido, depois, seguindo-se dos filhos, da família e dos animais de estimação.

Em minha experiência clínica, diria que mulheres e homens na faixa de 25 a 60 anos. A terapia floral também possui resultados mais profundos em crianças e bebês, sem contra-indicações.

5) Poderíamos também afirmar que a terapia floral nos trata espiritualmente?

 Sim, uma vez que a terapia floral busca trazer o equilíbrio do ser humano em todos os níveis: corpo, mente e espírito.

Muitos problemas de saúde, por exemplo, possuem causas espirituais. Nesse sentido, o floral é capaz de aumentar a frequência energética e vibratória da pessoa, ampliando seu campo de proteção, sua intuição, percepção e clareza diante daquilo que é necessário mudar, evoluir, melhorar, e isso também está ligado ao corpo espiritual ou à consciência superior, pois a trilogia corpo-mente-espírito não está dissociada, apenas para fins de estudo e conhecimento.

Pelo fato das essências florais serem vibracionais, é possível sua atuação nos corpos mais sutis como o espiritual, o emocional e o mental. O ser humano, assim como os florais, também é vibracional, vibrando em frequências de energias específicas, como as ondas de rádio, por exemplo.

Os florais são preparados líquidos, naturais, artesanais, geralmente de infusões solares de flores silvestres ou do campo.
Quando usamos uma essência floral, somos inundados pelas forças etéricas (qualidades) da flor e que eram por ela irradiadas, numa grande profusão de beleza e vitalidade. Por esta razão, quando estamos em contato com a excelência dessas energias, nosso padrão vibratório eleva-se.

6) Tratamento com florais, o que você gostaria de destacar?

Gostaria de ressaltar a importância de um terapeuta floral no acompanhamento de um tratamento com florais para aqueles que buscam resultados mais profundos, pois mesmo com o objetivo de tratar a causa, muitos problemas também estão ligados a questões inconscientes ou que não conseguimos ver, que necessitam de um olhar mais aperfeiçoado para serem resolvidas no seu núcleo de atuação.

De outro modo, sabemos que a auto-indicação segue o princípio norteador do “cura-te a ti mesmo”, que é parte da filosofia de cura do Dr. Edward Bach, a qual entendia que todo ser humano tem o poder de cura, porque todos somos criaturas de Deus, com imenso potencial de amor, simpatia e compaixão pelos que nos cercam e por nós mesmos. E por essa razão, podemos escolher para nós e para aqueles a quem amamos as essências florais necessárias capazes de ajudar um processo de cura (Os remédios florais do Dr. Bach – Ed. Pensamento), desde que:
– estejamos envolvidos em um processo de autoconhecimento;
– busquemos um contato com nosso manancial interno de amor, compaixão e simpatia,
– estudemos sobre o uso e ação das essências florais.

Assim, o terapeuta ainda se faz necessário naqueles momentos em que não nos sentimos suficientemente confiantes para escolher as essências de que mais necessitamos, e isto pode ocorrer sempre que não correspondemos às condições básicas citadas acima; quando gostaríamos de percorrer uma jornada de cura acompanhados pelo auxílio deste profissional ou quando não estamos tendo clareza sobre nosso próprio processo de cura, algo comum quando temos problemas crônicos ou em fases de choque, susto ou traumas (na fase de infância ou adulta), provocados por mudanças ou acontecimentos drásticos e inesperados.

7) Quantos tipos de florais existem e o que podemos curar?

Hoje, existem inúmeros Sistemas de Florais: Bach, Saint Germain, Minas, da Califórnia, do Alaska, Bush Flower Essences, Living Essences, da Holanda, Desert Alquemy, José Aleixo, Filhas de Gaia, Butiazal, Golfinhos, Raff, Angélicos, Florais do Sul, entre muitos outros. Não há como mensurar todos os sistemas existentes, tendo em vista que, de tempos em tempos, vemos um novo Sistema sendo formado e canalizado, o que é muito positivo, pois a diversidade de flores que existem no mundo é muito vasta e cada sistema de florais têm suas características peculiares de cura devido ao ecossistema de onde provém.

Os florais podem curar desequilíbrios energéticos em âmbito mental, emocional e espiritual, consequentemente, refletindo sua atuação no corpo físico. A cura oferecida pelas essências florais não é semelhante àquela dos remédios ou tratamentos alopáticos, mesmo porque os florais não são remédios, não tem contra-indicação ou efeitos colaterais, e não substituem os tratamentos médicos, uma vez que sua ação não se produz diretamente no corpo físico, mas em nossa mente e emoções, agindo em nós através de nossos campos sutis de energia, estimulando nossa saúde.
A terapia floral assim, pode ser complementar aos tratamentos médicos, psicológicos, psiquiátricos, fisioterápicos, fonoaudiológicos, ou outros, reforçando e estimulando a cura possível. De outra forma, como as essências florais têm qualidades de cura singulares, se torna um recurso terapêutico a ser usado de forma única.

As essências florais vêm sendo comumente usadas:
– quando há questões relacionadas à feminilidade a serem cuidadas: TPM, cólicas menstruais, distúrbios da sexualidade ou da menopausa, relações afetivas, problemas decorrentes das diversas funções simultâneas que a mulher assume na sociedade (esposa/ mãe/dona de casa x solicitações profissionais), capacidade intuitiva, razão x sensibilidade, etc.;
– quando há questões, relacionadas à masculinidade, a serem cuidadas: equilíbrio da objetividade e do raciocínio lógico com a sensibilidade, equilíbrio da agressividade, relações familiares, questões emocionais, afetivas e profissionais, distúrbios da sexualidade, etc.;
– em fases de mudanças ou de transformação pessoal onde são necessárias força e disposição como, por exemplo, no período da adolescência; aposentadoria; mudança de cidade, de casa, de emprego, de escola; na fase de escolha da profissão ou no período pré-vestibular; término de relacionamento afetivo; em tempos de luto e de perdas etc.;
– quando queremos empreender mudanças pessoais ou profissionais em nossas vidas;
– sempre que se queira desenvolver novas virtudes e habilidades necessárias para lidar com os desafios da vida, para aceitá-los ou transcendê-los;
– por aqueles que desejam romper com crenças, atitudes e padrões que limitam o seu viver bem, em harmonia e em equilíbrio;
– para momentos de exaustão e cansaço;
– em tempos de stress, dúvidas ou inseguranças;
– para distúrbios de auto estima;
– para cuidar de quem cuida de criança pequena, de idoso, de alguém doente ou convalescente;
– para auxiliar os que sofrem de melancolia, tristeza, depressão ou solidão;
– por aqueles que sentem medo ou ansiedade;
– para os que se sentem desencorajados, desesperançados, pessimistas, sem entusiasmo ou desmotivados;
– para favorecer o autoconhecimento e o desenvolvimento dos potenciais interiores;
– para os que querem melhorar sua comunicação verbal, gestual ou escrita;
– para os que querem ampliar a criatividade ou o uso da intuição;
– quando se está preso a traumas, choques, sustos do passado recente ou remoto;
– para os que carregam mágoas, raivas e ressentimentos e desejam se sentir
livres dessas amarras emocionais;
– para o período da gravidez e no pós-parto, sendo usadas também no período anterior à gravidez, ajudando a preparar futuras mães e pais;
– para distúrbios de aprendizagem, atenção, concentração e foco;
– para melhorar a relação entre pais e filhos, entre irmãos e entre familiares de forma geral;
– para as questões inerentes à maternidade e à paternidade;
– entre tantas outras possibilidades.

8) Podemos considerar que florais “curam” ou amenizam e nos conscientizam de algo?

Acredito que as essências florais podem curar, sendo uma potente e eficaz ferramenta dentro das terapias holísticas e medicina vibracional ou complementar.

A cura oferecida pelas essências florais é, acima de tudo, a de nos ajudar a resgatar nossa real essência, a lembrar de quem verdadeiramente somos e da força interior que reside dentro de nós para superar, conduzir, equilibrar ou transcender os sofrimentos e desafios pessoais e da vida, de forma simples, natural, real, reconectando-nos com a Natureza, da qual fazemos parte, para que nos transformemos na melhor versão possível de nós mesmos, e possamos, no nosso ritmo pessoal, ir corrigindo defeitos e deslizes de personalidade, ego e caráter, desenvolvendo e enaltecendo nossas potencialidades, virtudes e dons inerentes à nossa Natureza, divinamente humana.

(Luciane Strähuber – Matéria para a Revista ELÉVE)