Terapias Integrativas

Purificadores KAETÉ: A Força da terra, o Perfume da vida!

ESTAMOS DE SITE NOVO! 😉

VENHA CONHECER E SEJA BEM VINDO À ESSA ALQUIMIA SAGRADA.

Baseadas na Alquimia e na terapêutica integrada, incluindo conhecimentos da fitoterapia e fitoenergética, aromaterapia e aromatologia, florais, cristalterapia, cromoterapia e um processo alquímico próprio, surgiram as fórmulas dos Purificadores de Ambientes KAETÉ, confeccionadas há mais de dez anos e inspiradas para trazer equilíbrio, harmonia, bem estar, relaxamento, criatividade, vitalidade, prosperidade e energia para você e qualquer ambiente! Conheça nossas Linhas:

> LINHA FLORAL

> LINHA XAMÂNICA

> CAMPANHA PROMOCIONAL

NOVAS LINHAS PARA 2018! AGUARDE! 

“Apaixonada por fórmulas, experiências e elementos da natureza desde os 4 anos de idade, onde o conhecimento registrado na alma já começava a aparecer, as brincadeiras prediletas envolviam misturas com flores, plantas, cristais colhidos na fazenda dos avós, frascos, água e muita cor. Na escola, as aulas favoritas eram as experiências nos laboratórios de química e biologia. Através desse histórico, incentivada e rodeada desde criança pela medicina naturalista e a homeopatia, especializando-me na fase adulta ao conhecimento adquirido, diria que a idealização e criação dos Purificadores Kaeté é certamente uma extensão da minha essência! Permaneço dedicando-me a esta linda jornada que trilho com profundo amor e gratidão. Namastê!” 

Luciane Strähuber – Idealizadora e Criadora dos Purificadores Kaeté

Anúncios
Artigos, Matérias, Terapias Integrativas

Rosácea: Tratamentos Naturais e Homeopáticos

A rosácea pode ter causas emocionais, hormonais ou manifestar-se após um período de mudança ou estresse, sem uma causa definida pela medicina. Portanto, no conceito da terapêutica integrada faz-se necessário um diagnóstico e tratamento mais amplo, a fim de atuar não apenas fisicamente, mas também em outros níveis onde a causa pode estar instalada.

A rosácea é uma condição inflamatória, cíclica e crônica da pele. Manifesta-se através de rubor e vermelhidão no rosto, podendo gerar o aparecimento de espinhas – com maior frequência no centro do rosto, bochechas, nariz, testa e queixo. Por vezes, pode aparecer no tronco, nos braços e nas pernas. Nos casos mais avançados, pode ocorrer acne em forma de grãos e espinhas que, às vezes, chegam a ser bastante dolorosos.

Esta condição na pele requer uma série de cuidados e tratamentos para mantê-la em harmonia sempre que possível. Com base em experiência pessoal, histórico familiar, tratamento de pacientes e amigas, seguem algumas dicas.

  • Usar o sumo de Aloe Vera 2 X dia, principalmente à noite, antes de dormir. Corte um quadradinho da folha de aloe vera, retire os espinhos e passe sempre que possível. Enxaguar somente no dia seguinte. Se possível, ingerir também o gel de aloe vera preparado na hora com o sumo de 1/2 limão, em jejum. Pode ser batido no liquidificador e tomado puro ou acrescentando 1 colher de mel. Tomar com canudinho – evitar o contato do limão com os dentes,
  • Sucos desintoxicantes com folhas escuras: couve, brócolis, espinafre, etc, são altamente antioxidantes e auxiliam no processo. Saiba mais aqui: Sucos Naturais, Desintoxicantes e Energéticos
  • Evitar o consumo de leite, laticínios e derivados de origem animal – prefira os de origem vegetal. O único laticínio seria o iogurte natural orgânico, tendo em vista a presença dos lactobacilos que podem ser auxiliares na harmonização da flora intestinal e, consequentemente, da pele. O problema do leite e derivados não-orgânicos são os antibióticos e hormônios contidos nas rações animais que passam para o leite e, consequentemente, para o seu corpo por ingeri-los, causando o desequilíbrio natural dos hormônios.
  • Evitar o consumo de álcool, cafeína, bebidas e alimentos muito quentes, embutidos. Reduzir consumo de comidas picantes e chocolate.
  • Beber bastante água mineral ao longo do dia, estimulando o consumo de alimentos integrais e fibrosos.
  • Utilizar hidratantes manipulados – fluído, gel ou loção – que contenham em sua composição extrato glicólico de camomila ou calêndula. Acrescente neste hidratante os óleos essenciais de Lavanda, Tea Tree (antibiótico, antibacteriano) ou Palmarosa (antibacteriano, anti-séptico, cicatrizante) e o Hortelã para auxiliar a resfriar a pele e aumentar a circulação. Por exemplo, para 60g de hidratante inclua: 8 a 10 gts de OE Lavanda/ 6 a 7 gts de OE de Tea Tree – se preferir um óleo mais suave e regenerador da pele, a Palmarosa é a ideal: use 8 a 10gts OE Palmarosa/ 6 a 7 gts de OE Hortelã. Saiba mais sobre como utilizar os óleos essenciais aqui: Receitas Caseiras com Óleos Essenciais
  • Para quem tem a pele mais ressecada pode solicitar que no hidratante seja acrescentado o óleo de macadâmia. O óleo de oliva é ótimo também para criar uma camada protetora para a pele, pois mantém a hidratação.
  • Chás de ervas responsáveis por auxiliar na limpeza do sangue, fígado: bardana, dente de leão e alcachofra, especificamente. Neste caso, deixa 1 colher (chá) em infusão com 1 copo de água fria mineral  – em água quente o sabor será muito amargo para consumo. Tampar e aguardar. Bebericar este chá ao longo do dia, por 3 dias seguidos. Parar por 3 dias e repetir por 7 dias a 14 dias. Seguir preparando-o sempre para ser tomado no mesmo dia.
  • Exercícios e caminhadas ao ar livre, em meio à natureza, auxiliam na recuperação pela oxigenação das células. De preferência, em locais com pouca circulação de carros.
  • No caso de sol, evitar exposição se estiver em crise. Preferir o sol da manhã ou o de final de tarde.
  • Se possível, evitar lavar o rosto com água que contenha cloro, se for muito quente pior. O cloro é altamente irritante e pode agravar a vermelhidão. SUGESTÃO: Instale no seu chuveiro um filtro com refil à base de carvão (filtragem com 75% ou 98% de cloro). Os refis de 98% também são utilizados em hospitais. Assim, terá uma água menos ácida e irritante para e pele no geral, uma vez que a rosácea pode manifestar-se em outras partes do corpo.
  • Em alguns casos, a rosácea também pode ser consequência de endometriose. Se existe uma possibilidade de este ser o seu caso, converse com seu ginecologista ou consulte um homeopata – leia mais sobre a indicação da homeopatia Carbo Animalis. Pode estar correlacionada também a repetidas situações de desarmonia do sistema nervoso.

MÁSCARAS AUXILIARES PARA PELE COM ROSÁCEA

  • Máscara de Aloe Vera e Camomila (Somente a Aloe Vera já traz ótimos resultados): Auxilia a desinflamar a pele, minimizar espinhas e prevenir infecções. É ideal para reparar as partes mais ressecadas. Prepare uma infusão de camomila e, quando estiver fria, misture com a polpa de um talo de aloe vera ou com gel do aloe vera, conforme preferir. Bata os ingredientes e quando obtiver uma massa uniforme, estenda pelo rosto deixando repousar durante 15 minutos. Você notará os resultados em seguida!

  • Máscara de Mel com Açafrão/ Sem adição de água: Tem ação cicatrizante, antibiótica, mineralizante e antibacteriana natural pelas propriedades contidas no mel e no açafrão. Pode ser aplicada 1 a 2 X mês, sem pressão ou esfoliação brusca da pele. Deixe agir por 15 minutos e retire com água morna ou fresca.

  • Máscara de Pepino:  Eficaz porque o pepino é muito rico em água e vitamina E. Destaca-se por ser um cicatrizante natural que ajuda a minimizar a vermelhidão, refrescar e reparar a pele. Descasque um pepino médio, bata no liquidificador e, se desejar, acrescente uma colher de sopa de azeite de oliva – extra virgem. Depois, passe-a pelo rosto e deixe agir por 15 minutos. Retire com água morna e sem aplicar nenhum tipo de sabonete.

  • Máscara de Aveia e Chá Verde: A aveia é ótima para esse caso porque possui uma ação calmante que protege a pele contra irritações, vermelhidão e coceira. O chá verde, pela ação antioxidante e tonificante é ótimo para combater os sintomas. Os ingredientes unidos são uma excelente opção. Prepare uma infusão de chá verde – preferência para as folhas verdes ao invés dos talos. Quando estiver frio, acrescente 3 colheres (sopa) de farinha de aveia. Misture bem. Deixe agir por 10 a 15 minutos.

LIMPEZA E ESFOLIAÇÕES ADEQUADAS

Seguindo este passos básicos, além dos já mencionados, você conseguirá eliminar as células mortas sem danificar a estrutura da derme, mantendo-a saudável e hidratada.
  • A limpeza facial nesse caso deve ser extremamente suave, evitando a esfoliação nas partes afetadas. Aconselha-se lavar o rosto 2 X ao dia (manhã e noite) com água morna, utilizando um sabonete suave e natural – de preferência sem componentes químicos artificiais – não abrasivo, principalmente livre de fragrâncias sintéticas. Secar a pele com uma toalha de algodão suave e descartar o uso de toalhas ásperas.
  • Caso o dermatologista tenha receitado alguma medicação tópica, aplique logo após realizar a limpeza facial e 10 minutos antes de aplicar qualquer outro produto, seja protetor solar, cremes ou maquiagem. Assim, o tratamento penetrará bem na pele e fará sua função.
  • A aplicação de um protetor solar – principalmente se houver maior exposição ao sol – é fundamental. O ideal é solicitar que o próprio dermatologista manipule o mais adequado à condição da sua pele, sendo o FPS 30 suficiente e melhor para evitar maios irritação que os fatores de maior grau podem provocar *
  • Para reduzir os sintomas da rosácea como a vermelhidão, a irritação e a coceira, é importante usar um creme hidratante emoliente, que crie uma barreira protetora contra a umidade e resíduos que possam causar infecções e danificar a pele. Há cremes feitos especificamente para cuidar dessa sensibilidade.
  • Outro aspecto fundamental é escolher os produtos para aplicar sobre a pele com muito cuidado. As peles com esta condição são bem mais sensíveis. Lembre-se sempre da composição de cada um dos cosméticos que adquirir. Evite aqueles produtos que sejam agressivos como loções adstringentes, esfoliantes, tônicos e produtos em geral que que contenham álcool, menta, óleo de eucalipto, ácido salicílico, petrolatos, triclosan e abrasivos.
  • Quanto à maquiagem, é conveniente evitar as bases densas resistentes à água e, em seu lugar, escolher uma que não seja irritante e livre de óleo. As maquiagens minerais costumam ser uma grande alternativa para as peles com rosácea, já que são menos irritantes. No mercado, existem algumas especialmente indicadas para a vermelhidão. Se você tiver condições, o ideal seria preferir uma maquiagem mais orgânica e sem petrolatos, triclosan e ingredientes irritantes, ou ainda adquirir de fontes seguras vendidas em farmácias de manipulação ou marcas que primam por componentes naturais e orgânicos.

* SOBRE O PROTETOR SOLAR (Segundo recomendação dermatológica)

TRATAMENTO HOMEOPÁTICO

A partir de um breve histórico dos casos mais comuns de rosácea, o uso da homeopatia e seu vasto campo de pesquisa e conhecimento tem resultados muito positivos no tratamento. Segundo a Dra. Concepción Calleja Peredo – especialista em medicina geral e homeopatia – os medicamentos homeopáticos mais indicados são:

CARBO ANIMALIS 7 CH: Tomar 3 grânulos, 2 a 3 X dia. Em sua experimentação toxicológica, as doses com este medicamento desenvolvem lesões na face idênticos aos da acne rosácea – no princípio da homeopatia cura-se o semelhante com o semelhante.

ARNICA MONTANA 15 CH: Quando houverem ferimentos que são simétricos (em ambas as faces). Tomar 3 grânulos, 2 X dia.

EUGENIA JAMBOSA 7 CH: Indicado especialmente quando as lesões se relacionam com a ingestão de álcool – que neste caso deveria ser evitado. Tomar 3 grânulos, 2 X dia.

SANGUINARIA CANADENSIS 9 CH: Quando as lesões são acompanhadas por calor e queimação nas bochechas. Tomar 3 grânulos, 3 X dia. Se este período corresponde à menopausa, pode-se seguir a prescrição acima – 2 a 3 grânulos quando o calor aparecer.

CALCAREA FLUORICA 7 CH: Quando há telangiectasias importantes, tomar 3 grânulos, 2 X dia. Outros medicamentos mais frequentes associados neste tipo de patologia são: Sulfur, Lachesis e Sepia.

Um outro olhar me levou ao Compêndio Clínico dos Laboratórios WELEDA do Brasil, cujas recomendações para o tratamento da rosácea seguem avaliadas como DOENÇAS DOS ÓRGÃOS SENSORIAIS (Sistema Neuro-Sensorial)/ I. DERMOPATIAS CONSTITUCIONAIS E AUTO-IMUNES. Faço menção à Weleda neste caso pelo fato da maioria dos medicamentos homeopáticos serem de origem orgânica, produzidos de uma forma singular que respeita vários aspectos na elaboração dos seus componentes.

Recomendações:

  • Dieta rigorosa *, quase sem sal e, especialmente, sem iogurte ou completamente vegetariana. Banhos frequentes de imersão com Kalium sulfuratum e suco de um limão. Sudorese depois do banho.
  • Estimular limpeza do intestino diariamente.
  • Chá Ritmo Suave Weleda (Sene, Erva-doce, Menta e Cravo).
  • Vaucheria D3 e D20 dil., 3 vezes ao dia, 10 gotas.
  • Aesculus D15 dil. + Alumen D15 dil.
  • Antimonit D6 dil.
  • Sangue próprio mais Silicea D20 amp.
  • À noite, aplicar nas partes afetadas em pouca quantidade Calendula Officinalis (Tintura) T.M. + Pasta d’água aa., Arnica (Aplicar a tintura na pele, 1-4 vezes ao dia com uma compressa. O uso em crianças menores de 6 anos precisam de atenção médica. A duração do tratamento não deve exceder uma semana)./ Echinacea comp.* gel, pomada de Aurum metalicum praep. D5 / Oleum lavandulae eth. 1%.
  • Observação: no caso da Silicea e do Aurum, esses elementos podem ser encontrados na medicação homeopática da Weleda chamada STRESSDORON, um ótimo complementar.

* Dieta rigorosa recomendada:

  • A alimentação é de extrema importância, como em qualquer “erupção”: manifesta-se na pele tudo aquilo que penetrou em excesso e que não pode ser dominado pelas forças metabólicas.
  • Em consequência, todo tratamento de acne deve começar com 7 ou mais dias de alimentação crua, especialmente à base de frutas.
  • Em seguida, 3-4 semanas de alimentação vegetariana: verduras, saladas, couves, cenouras, beterrabas, batatas, pão integral, queijo branco, coalhada, creme ácido, iogurte, maçãs, compotas com pouco açúcar, chá, um pouco de café sem leite, água mineral.
  • Mais adiante, três vezes por semana, um pouco peixe. Não ingerir: carne vermelha, frios, comidas com farinha de trigo branca, comidas muito doces, leite e alimentos derivados ou com leite, queijo duro, pimentões verdes e vermelhos, ovos puros, enlatados, álcool em todas as suas formas.
  • Facilitar a evacuação do intestino: à noite, chá de cáscara sagrada ou uma infusão de Chá Ritmo Suave (Weleda). O paciente deve mastigar muito bem os alimentos para auxiliar a atividade metabólica.

pele-lírio

METAFÍSICA DA PELE

Para compreender melhor a pele do rosto, devemos considerar suas características fisiológicas comparativamente ao significado metafísico, que visa investigar profundos aspectos emocionais e padrões de comportamento.

No âmbito metafísico, a pele que reveste todo o corpo representa uma linha divisória entre o interno e o externo. Isso refere-se a uma área de exposição que contem componentes interiores, assim como registros das sensações produzidas pelo que acontece ao redor.

A pele, portanto, é um órgão de contato e de manifestação do ser no mundo. Do meu ponto de vista “a pele é emocional”, sendo um veículo através do qual podem somatizar-se muitos aspectos.

Ela desempenha a função de termostato natural, regulando a temperatura do corpo. Grande parte do calor produzido pelos músculos são enviados à pele; a transpiração é um exemplo desse mecanismo fisiológico de eliminação de calor. Essa atividade equivale, metafisicamente, à mediação entre o ser e o ambiente. É uma espécie de regulador emocional, que faz o intercâmbio entre os componentes emocionais com as situações do ambiente.

Quando alguma ocorrência exterior impacta a pessoa e ela se inflama, por exemplo, a sua fúria fica “à flor da pele”. Cabe aqui avaliar como se lida com a raiva, diante de situações que fogem do seu controle, que não ocorrem como gostaria ou que “tiram você do sério” por várias razões. Quando se encontra a origem desta raiva, é possível identificar padrões e iniciar uma mudança de comportamento, minimizando efeitos “pós-raiva” que deixam a pele irritada e que, geralmente, resultam num campo devastado, seco e eletricamente desarmônico.

Sob essa ótica, os cuidados com a pele, principalmente do rosto, representam um gesto de dedicação e atenção para consigo. A limpeza de pele é um procedimento que sugere a libertação das turbulências vivenciadas no passado quando da liberação das células mortas, um ato que vai muito além da vaidade e da estética quando realizado com este intuito. Esse procedimento minimiza os padrões metafísicos que poderão somatizar, por exemplo, em forma de manchas na pele.”

Procurando apresentar nesta matéria tanto métodos naturais quanto homeopáticos para que você avalie o melhor tratamento, não descartamos o acompanhamento de um homeopata e dermatologista, a fim de prescrever um diagnóstico mais preciso de acordo com o estágio e as condições de sua lesão. Para atendimentos online, há o belo trabalho do Homeopata Dr. José Maria Alves, que disponibiliza consultas gratuitas e um vasto material gratuito para estudo, disponível em seus sites e blogs: Tratamento Rosácea e Consultas_Dr. José Maria Alves 

E uma sugestão para reflexão: procure através do autoconhecimento, da observação de si porque o problema surgiu, se é cíclico ou crônico, quando e em que ocasiões ocorre. Seja o observador de si mesmo e, assim, poderá encontrar a causa do seu surgimento para melhor sinalizar o devido cuidado e tratamento. Na psicossomática, acne e lesões na pele podem estar chamando sua atenção para dialogar com sua auto-estima, autoconconfiança e auto-amor, ainda podendo indiciar aspectos mais profundos do seu ser oriundos de padrões, registros e crenças familiares. Observe, investigue, conheça-se: este é o primeiro passo. Namastê! ❤

Luciane Strähuber – Educação Terapêutica Integrada

 

Artigos, Filmes, Vídeos e Documentários, Terapias Integrativas

Amor Animal: Fonte Eterna de Cura, Sabedoria e Compaixão

Com a crescente onda consciencial do veganismo e vegetarianismo, da educação para a sustentabilidade ambiental e os recursos à auto-sustentabilidade, da alimentação orgânica em benefício do produtor e da comunidade, ao longo de anos venho presenciando inúmeras campanhas, documentários e vídeos sobre o incentivo à adoção de animais, numa relação de profunda cura como resultado da rotina diária do indivíduo.

Percebo que esta cura natural e fluídica, que ocorre na relação humano-animal, é como um espelho que está diante de nós apenas para relembrarmos o que somos e que os irmãos animais próximos de nós já são: uma fonte eterna de amor e compaixão. Fonte esta que também habita em nossa essência, mas que ao longo da vida pode ser esquecida por nos afastarmos dos caminhos do nosso coração que nos levam a sentir e Ser este amor.

Para tanto, relaciono abaixo alguns desses lindos exemplos, emocionantes até, que nos inspiram a amar ainda mais, espargindo essas sementes de compaixão aos que amamos e que fazem parte da nossa espécie, lembrando que assim como os animais, bebês e crianças também aguardam por um lar!

Baseada no princípio da Gestalt Terapia – psicoterapia cuja concepção é a de que não se pode conhecer o todo através das partes, mas sim as partes por meio do conjunto. Tem por base a idéia de que o conjunto é mais que a soma dos seus elementos, onde um terceiro fator é gerado nesta síntese – a agência indiana McCan criou esta campanha brilhante de conscientização para a adoção de animais. O título da campanha é There’s always room for more. Adopt! “Sempre existe espaço para mais um. Adote.” Segundo o site Tailandês BrandAge, o número de adoções de animais dos abrigos em Mumbai aumentou em mais de 150%. Um índice maravilhoso!

Outra história apaixonante é a trajetória da menina Iris Grace e seu gato Thula, sendo mais um exemplo de significativa melhoria de crianças autistas em convívio com animais. Após a vinda do gato, que mudou a vida de toda a família, a história deu origem a um livro com pinturas, ilustrações, fotografias e pormenores da narrativa que já encantou o mundo. As pinturas conquistaram até colecionadores de arte do Reino Unido, onde a menina mora.

Iris foi diagnosticada com autismo severo quando tinha apenas um ano de idade. Durante muito tempo, vivia num mundo isolado e só dela – quase não falava e raramente sorria, cuja relação de comunicação com os pais também era difícil. Após várias tentativas de abordagem através do hipismo e a companhia de um cão, em 2014 os pais decidiram adotar um gato. A partir daí, tudo mudou.

A empatia entre Iris e Thula foi imediata e a menina, já apaixonada por cavaletes e tintas, começou a comunicar-se como nunca antes: “Eles sentam-se ao lado um do outro enquanto Iris pinta, e novas portas de comunicação foram abertas, portas que achávamos estarem fechadas para sempre”, conta a mãe Arabella Carter-Johnson, fotógrafa e responsável pelo livro agora publicado. Thula está presente em todos os momentos da vida de Iris: o tempo da pintura, os passeios de bicicleta e de barco, o banho e até mergulhos na piscina: “Ele oferece companhia, amizade e ajuda-me a incentivar Iris a interagir”, explica a mãe ao site Bored Panda.

Os quadros coloridos da menina – um compilado de telas relacionado no vídeo a seguir – têm sido elogiados por vários colecionadores de arte do Reino Unido, e muitos já foram comprados. A ligação de Iris com o mundo através da pintura é apenas uma das vantagens conseguidas. Segundo a mãe, este exemplo pode ajudar a conscientizar mais pessoas sobre o autismo, uma doença que só no Reino Unido afeta cerca de 100 mil crianças. “Quando somos pais ou professores de crianças com autismo, estamos constantemente tentando encontrar maneiras de interagir com elas e a chave para entrar no mundo delas”, relata.

O livro agora editado não é a história de uma menina prodígio ou génio, lê-se na descrição da obra: “É a narrativa de como um vínculo impressionante entre um gato e uma criança salvou uma família.” Talvez as técnicas usadas por estes pais não resultem da mesma maneira com outra criança, ressalvam, mas a mensagem sobre a diferença e o incentivo podem ajudar muitas famílias.

Recentemente, mais um exemplo desta curativa união entre humanos e animais foi a criação do documentário Kedi. Os personagens principais são obviamente os gatos e a apaixonante história de cada um mostra a profunda relação entre eles e os moradores de Istambul: irmãos de alma que mudaram a vida de muitas pessoas!

Centenas de milhares de gatos turcos vagueiam livremente pela cidade de Istambul. Muitos provindos de outras partes do mundo por meio dos navios que aportam na cidade. Por séculos eles estiveram compartilhando da vida das pessoas, tornando-se uma parte essencial das comunidades que tornam a cidade tão rica. O documentário traz a magia e a alegria que é estar na companhia de um felino: “Os gatos de Istambul vivem em dois mundos, nem selvagem nem manso – e eles trazem alegria e propósito para aquelas pessoas que os escolheram adotar. Em Istambul, os gatos são os espelhos para as pessoas, permitindo-lhes refletir sobre suas vidas de maneiras que ninguém mais poderia.”Que este artigo inspire você a amar mais e compartilhar este amor! Namastê! ❤ 😉

Artigos, Terapias Integrativas

Um Olhar Homeopático sobre a Personalidade Odiosa: Do que você tem medo?

Imagem: Fênix Negra (Dark Phoenix), personagem de X-Men

Em tempos de haters, que tal falarmos um pouco sobre o que leva uma pessoa a desenvolver o sentimento de ódio? E, da mesma forma, como podemos compreender e tratar sua origem através da homeopatia, cujo princípio é propor a cura do semelhante pelo semelhante. Este delicado assunto pode ser pouco mencionado, mesmo estando tão presente nesta Era Digital, nos inúmeros casos que presenciamos ou ouvimos falar na internet e na vida real. Propomos um olhar sobre ele como forma de reflexão e, até mesmo, auto-análise e autoconhecimento.

O que nos chama a atenção é o fato de que odiar alguém acaba se tornando um vício, uma dependência a algo que agrega outras coisas. “A personalidade odiosa, frustrada, distorcida e deformada está fora de sintonia com o Universo. Inveja os que têm paz, são felizes, generosos e alegres. Geralmente critica, condena e difama aqueles que lhe demonstraram generosidade, bondade e compaixão. Assume a seguinte atitude: ‘Por que ele deve ser tão feliz se eu sou tão desgraçado?’ Deseja atrair a todos para o seu próprio padrão de vida. O seu infortúnio necessita companhia.” (Joseph Murphy). Há quem não faça a ligação de primeira, mas o ódio leva a uma grande porção de inveja e, como sabemos, a inveja dói.

O ódio é um sentimento de profunda antipatia, desgosto, aversão, raiva, rancor profundo, horror, inimizade ou repulsa contra uma pessoa ou algo, assim como o desejo de evitar, limitar ou destruir o seu objetivo. Tanto quanto o amor, o ódio nasce de representações e desejos conscientes e inconscientes. Segundo uma passagem de Martin Luther King: Tenho visto demasiado ódio para querer odiar (…) Eu decidi ficar com o amor, pois o ódio é um fardo muito grande para suportar.” 

Ódio, segundo o significado literal da palavra, significa: 1. Aversão intensa gerada ou motivada por medo, raiva ou injúria sofrida; odiosidade. 2p.met. A pessoa ou a coisa odiada. Aqui, prestemos a atenção para o fato de que o ódio é relacionado, na sua tradução ou indicação de significado, com o MEDO, palavra-chave para a primeira identificação da Homeopatia Clássica.

Perguntas como: “Do que você tem medo? Qual o seu maior medo?” seriam o ponto de partida para compreendermos o comportamento odioso. Mas, quando falamos em ódio, através do repertório homeopático, falamos de Anacardium, Cicuta e Natrum Muriatricum, esse último com um toque de rancor e, por isso mesmo, o elegemos também como ódio coletivo, cólera e ira.

Também podemos ver o ódio como comparativo ao uso e à dependência química: “A compulsão para odiar, assim como a compulsão para usar drogas, se caracteriza por um estado de obssessividade e submissão, que escraviza a vontade e submete o desejo da pessoa. Em alguns indivíduos, a compulsão para odiar é mais forte que sua vontade de amar, perdoar e até de viver – o ódio é aquele que comanda sua vontade e seu corpo.” (Fernando Vieira Filho)

ANÁLISE 

Esta análise tem o objetivo de identificar as essências homeopáticas mais indicadas para estes casos, o que não dispensa a importância e a presença crucial de um homeopata para auxiliar no diagnóstico e no tratamento.

  • A Homeopatia Anacardium e seus complementares: Lycopodium, Pulsatilla, Platinum

Assim sendo, o Lycopodium vai ajudar a controlar o conflito; a Pulsatilla vai trabalhar na frustação, na sensação de abandono; o Platinum vai mexer com sua vaidade.

Reflitamos aqui: o ódio faz isso para além de sua própria prerrogativa, sinalizando o rancor extremo e a mágoa, aquela sensação de “sangue nos olhos”. O medo, por sua vez, faz essa diferença ainda maior. Medo é uma reação obtida a partir do contato com algum estímulo físico ou mental – interpretação, imaginação, crença – que gera uma resposta de alerta no organismo. Esta reação inicial dispara uma resposta fisiológica no organismo, liberando hormônios do estresse (adrenalina e cortisol) e preparando o indivíduo para lutar ou fugir.

Na prática, eis um exemplo: todo indivíduo é dotado de vaidade, como todo o fígado de secreção biliar, mas quando essa vaidade – ou essa secreção biliar – excedem, tornam-se estados mórbidos que devem ser curados. Para harmonizá-los, o Chelidonium ou a Bryônia podem resolver o problema da secreção e dominar o fígado, assim como o Palladium pode trazer a vaidade aos seus justos limites.

  • A Homeopatia Natrum Muriaticum trabalha, da mesma forma, a mágoa e a depressão. Já a Cicuta Virosa, apresenta a sua grande aversão aos homens.

Também podemos atribuir a Belladonna, a Conium e a Mercurio uma boa ponta de ódio e, talvez, vamos conseguir entender um pouco, apenas um pouco, a onda de ódio e de fascismo que assola boa parte do mundo.

O que vem depois disso é uma espécie de embriaguez, um torpor e um vazio. Coisas que acabam sendo recorrentes e repetidas na vida pessoal, no grupo familiar ou no meio coletivo. A herança comportamental, no caso de grupos familiares, pode ser um exemplo para expressar a onda de violência que crianças muito pequenas vem repetindo nas redes sociais, com atribuições de um discurso praticamente adulto de ódio.

Em contra partida, algumas crianças vem sendo ameaçadas pela cor da roupa, pela cor da pele ou pela opção política dos pais, iniciando pelo bullying ou cyberbullying, que pode resultar em comportamentos odiosos. Há também os casos de pais que, assustados e desiludidos, necessitam lidar com a partida de filhos que estiveram envolvidos em grupos de ideologias rivais, seitas e congregações afora, completamente destoantes dos valores através dos quais foram criados. A construção de uma ideologia, portanto, nem sempre tem traços familiares, mas de convivência com a sociedade em que o indivíduo escolheu para viver, já que o meio gera uma grande influência sobre o comportamento humano.

A voracidade com que um animal defende seu território é, muitas vezes, observada na mesma proporção em nossa sociedade, como se houvesse uma “ausência de consciência humana”, um exemplo que deveríamos ter sempre em mente para refletirmos: O que move essa onda de ódio que vemos pelo mundo? Por que é tão difícil a convivência lógica e respeitosa de sobrevivência? Será que o mundo está passando por uma crise de valores? Ou será a famosa “crise dos espelhos”, onde se atribui ao outro os defeitos que tenho? Popularmente, este comportamento é chamado de inveja. A ganância, o egoísmo e a soberba também entram nessa análise, levando em conta toda a grade homeopática ligada a esses sentimentos que, muitas vezes, também fazem parte do comportamento odioso.

Nessa onda, ainda observamos o abusivo tratamento dado às mulheres em vários setores sociais e diferentes culturas, onde o ódio é gratuito, direcionado, marcado, pontual e, em alguns casos, “consentido”. Isso assemelha-se ao olhar dos imigrantes fugidos da guerra, quando encontram um muro de resistência humana em sua frente.

Sabemos que este tema jamais será matéria vencida para estudo, nem totalmente contido ou resolvido. O feio disso também representa o belo – os dois lados da moeda – pois temos o direito à escolha para sempre poder determinar a natureza a seguir, a capacidade de decisão, de livre arbítrio e de recomeço. Assim, não nos cabe culpar alguém, nem tão pouco jogar a responsabilidade para o outro.

Essa pequena parcela que separa a ação da reação sempre será responsabilidade de cada um de nós, e com as bênçãos e a sabedoria da Mãe Natureza, temos a homeopatia para nos ajudar a compreender, a nos conhecer, a entender e identificar a causa intrínseca em nossas raízes, a viver melhor conosco e com o mundo ao nosso redor.

Nos conhecendo, nos trabalhando e nos melhorando, somos capazes de compreender o caminho do coração, a frequência do amor que nos leva de volta à presença, no aqui e agora, para que nos amando verdadeiramente, possamos amar o outro! Quando olho para o outro com o coração – porque consegui olhar para mim com o mesmo coração – estou presente para mim, assim como estou presente para ele no Agora! Namastê! 😉

Fonte Complementar: Guia Homeopático Homeopatas de Pés Descalços

Saiba mais: Tendências Emocionais e Homeopatia

 

Artigos, Filmes, Vídeos e Documentários, Terapias Integrativas

Mesmo que existam “13 Porquês”, sempre haverá uma saída

Muito tem se ouvido falar a respeito da polêmica série lançada recentemente pela Netflix, 13 Reasons Why, com produção da atriz Selena GomezO seriado é baseado nos livros Os 13 Porquês , do escritor Jay Asher, e conta a história do suicídio da adolescente Hannah Baker e o que a motivou a cometê-lo. Antes de morrer ela grava uma série de fitas cassete contando suas experiências, ponto de vista e sentimentos relativo a pessoas diferentes com quem conviveu: amigos, ex-amigos, colegas de escola. As fitas passam a ser ouvidas por cada pessoa que, segundo ela, a magoou, cometeu bullying ou, simplesmente, não ajudou e a ignorou nos momentos em que mais precisava. Na série, o personagem principal Clay Jensen ouve 13 fitas contendo a versão de Hannah ao longo dos 13 episódios.

Mesmo antes da Série ser lançada, uma dúvida ficou no ar: por que a atriz e produtora Selena Gomez não quis atuar, já que seria dado a ela o papel principal? A resposta foi:“Eu estava em um momento muito ruim quando a produção da série começou. Fiquei afastada de tudo durante 90 dias e conheci várias pessoas com os mesmos problemas enfrentados por esses personagens. Eu não conseguiria fazer. Estava lá no último dia de gravação e fiquei acabada assistindo, porque eu passei pela mesma coisa”, revelou. Penso que esse fato contribuiu para as cenas terem sido tão fidedignas à realidade vigente.

Diferente de ser apenas uma série de entretenimento, logo no início já é anunciada uma mensagem de ajuda, o que do meu ponto de vista foi um grande diferencial para os resultados que foram alcançados até então. Segundo o Centro de Valorização da Vida – site que realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por: telefone, email, chat e Skype 24 horas, todos os dias – desde a estréia da série, a quantidade de emails com pedidos de ajuda aumentou 445%, havendo uma alta de 170% na média diária de visitantes no site. A maioria dos pedidos de ajuda foram de jovens que se identificavam com a dor da personagem principal. 

Nesse contexto, para quem já assistiu, para quem já conviveu ou esteve próximo de alguém que já passou por isso, sabe que é impossível ficar calado e conter o desejo intrínseco de divulgar, de ajudar, de passar adiante o objetivo principal comunicado aqui: o suicídio nunca será uma opção! E em se tratando do fato de que o suicídio está sendo a 2ª maior causa de morte entre jovens – estatística mencionada pela equipe multidisciplinar da Série, incluindo psicólogos e psiquiatras – não apenas nos EUA mas também no Brasil, então, precisamos mais do que nunca falar sobre isso.

Por ter conhecido e tratado pessoas que tentaram suicídio, tanto nos anos que trabalhei como terapeuta quanto na fase de minha adolescência – conseguindo auxiliar muitos a sair desta “aparente” rua sem saída – sei o quanto é difícil lidar, compreender e perceber os sinais por parte dos familiares, pessoas conhecidas ou envolvidas emocionalmente. Foram pacientes, colegas de trabalho, amigos, parentes e vizinhos, afinal, quem nunca ouviu falar sobre alguém que já pensou ou está pensando em suicídio?

O importante é sabermos que isso acontece, que pode ser com qualquer um próximo de nós, e precisamos estar preparados para encarar esta verdade e ajudar no que for preciso. Se não soubermos como, busquemos apoio nas instituições e movimentos destinados a isso, nas linhas de diálogo anônimo, no trabalho de psicólogos, psiquiatras e constelações familiares, porque certamente se esse caminho está sendo uma opção, é porque o “furo emocional” está em algum lugar no passado deste ser humano. Esta é quase sempre a chave que se esconde por trás do véu: desestruturação familiar.

Poderia citar aqui muitos casos pelos quais estive frente à frente com esta face “crua, vazia e escura” que o suicídio representa – sem falar no impacto espiritual que essa escolha gera como consequência. Mas, como estou aqui para falar das soluções que levam de volta à sanidade e não à loucura, um dos exemplos louváveis que presenciei foi de um diretor de uma escola em que trabalhei, diante do primeiro caso de um aluno que havia tentado suicídio em sala de aula, durante o intervalo. Ao ficar sabendo do ocorrido, o diretor em questão ligou para a mãe para avisá-la, pedindo sua presença imediatamente. Mas, a resposta que ouviu foi mais ou menos esta: “Desculpe, estou ocupada, no Salão. Vou pedir para meu motorista ir até aí.”

Pois o diretor não teve dúvida e foi até o salão de beleza onde esta dita “mãe” se encontrava, “rodou a baiana” e disse que a levaria arrastada até a escola, se fosse preciso. Por ter conhecido e trabalhado com ele no passado, cujo filho já tinha histórico de síndrome de down e déficit de atenção, considero louvável esta e outras atitudes que presenciei diante de casos como este, pois é isso que os filhos que tentam o suicídio esperam dos pais: presença! Esse é um ingrediente mais do que necessário nestes casos.

Outro caso que gostaria de citar começa com essa frase: “homem, só por ser homem, já é bonito”. Você vai se perguntar, o que esta frase tem a ver com suicídio? Então, a frase em questão está ligada ao histórico de uma mulher, provinda de uma família do interior, com poucas condições, regida por homens rígidos, conservadores e, às vezes, agressivos. Esta mulher não teve prazer em ser mulher, não teve amor em ser mãe porque também não recebeu amor. Ao longo da vida, não esteve confortável com seu papel como mulher porque, simplesmente, foi ensinada a enaltecer o sexo masculino numa época em que as mulheres não tinham “voz ativa” para expressar o que de fato eram, gostavam, queriam ou gostariam de ser, submissas ao eterno “deus fálico”.

Esta mesma mulher, após dois filhos, decide fazer ligadura, não desejando mais ter filhos para conter gastos. Mas, a consciência materna regente pela providência divina decide trazer mais um filho, para a surpresa de todos. Com isso, já na fase intra-uterina, aquela consciência estava sendo rejeitada e passou sendo rejeitada por toda sua trajetória, a ponto desta mulher ter “permitido” que este mesmo filho fosse abusado sexualmente pelo pai – cujo pai também havia sido abusado anteriormente. Este filho, rejeitado desde a fase intra-uterina, tentou suicídio mais de uma vez, mas…ainda não era a sua hora.

A rejeição virou abandono – e me refiro aqui ao abandono emocional, psicológico, espiritual, aquele que cala, que é capaz de esvaziar as fagulhas internas de vida, o brilho nos olhos de uma criança, aquele que é capaz de criar “buracos” na alma que podem se tornar fontes nutridoras para predadores e hospedeiros perversos. Mas, na última tentativa, uma luz se fez na escuridão. A noite tornou-se dia e aquele momento que poderia ter sido de morte foi um marco de renascimento. Alguns anos depois, este jovem virou adulto e um exemplo de superação, ajudando inúmeras pessoas como conselheiro e “terapeuta de vida”, um dom que desabrochou a partir de sua própria experiência, lhe trazendo força para continuar e superar.

Nessa introdução com relatos verídicos, recordando os casos que pessoalmente acompanhei, venho falar desta série fabulosa, visivelmente esculpida com dedicação e seriedade por quem a criou, longe de ser apenas uma “Série Teen”, mas visando abordar temas como: suicídio, bulliyng, estupro, contrabando de armas, drogas, violência de gênero. E além deles, abordando todo tipo de problema que esta fase envolve, num momento em que todo jovem ainda está tendo que lidar com a montanha-russa de transformações que acontecem no cérebro, no corpo, com hormônios e emoções, tudo ao mesmo tempo.

É importante mencionar aqui que os pais da nossa geração – digo a geração dos 40 em diante – não viveram esta Era Digital como acontece com os jovens de agora e, por isso, muitas vezes, não sabem como lidar porque não tiveram esta experiência, muito menos sabem o que significa cyberbullying ou bullying virtual. Portanto, penso que aqueles da “nossa geração” que tem a informação, que conhecem os mecanismos e processos dessas questões tem a responsabilidade de divulgar, de falar a respeito, de passar adiante e auxiliar aqueles que desconhecem o assunto. Para tanto, recomendo a série a todos os pais e familiares que ainda tentam compreender o comportamento dos seus filhos, dos seus irmãos, dos seus primos, sobrinhos e conhecidos.

Estejamos atentos aos jovens ao nosso redor, porque todo ímpeto suicida deixa sinais e, antes do ato propriamente dito, da escolha tomada, este jovem irá chamar a sua atenção, de alguma forma. Não esperemos alguém tomar uma atitude drástica como essa, estejamos focados na prevenção! E para os que porventura estejam lendo este post e pensando nisso, a você falo agora; tenha a certeza que sempre existe uma saída, uma luz no fim do túnel, porque sendo covardia ou coragem – como muitos julgam – tirar a própria vida nunca é e nem nunca será uma opção.

Aos que já passaram por isso, sugiro assistir com cautela, atentando para o fato de não assistir as cenas mais fortes que a própria série alerta antes de iniciar o referido episódio. Dê a você o limite necessário. Concordo com o psiquiatra Luís Fernando Tófoli quando, segundo um artigo sobre a série, diz: “O principal erro da série é, de longe, mostrar o suicídio de Hannah. A cena, que acontece no episódio final, é absolutamente desnecessária na narrativa e claramente contrária ao que apregoam os manuais que discutem prevenção de suicídio e mídia. Chega a ser absurdo que os autores da série ignorem completamente o que indicam explicitamente as recomendações da Sociedade Americana para Prevenção do Suicídio, que foram publicadas após a morte do ator Robin Williams – https://goo.gl/vAQkg6 (…)”. Penso, apenas com essa ressalva, que essa cena poderia ser um “gatilho” de incentivo e não de prevenção, mesmo que o intuito em mostrá-la tenha vindo com intenções de apregoar o oposto.

Diante da polêmica, a Netflix afirmou ter tratado o assunto com o máximo cuidado, recorrendo à consultoria de especialistas durante a produção. Isso se apresenta no final do último episódio, com um documentário de 30 minutos, onde toda a equipe da série, incluindo os atores, falam abertamente sobre o tema, o que é ótimo do meu ponto de vista para esclarecer todos os rumores. Nele, o desenvolvedor do programa, Brian Yorkey, afirma que se trabalhou duro para que as imagens da morte de Hannah não fossem gratuitas: “Queríamos que fosse difícil de ver, para ficar claro que não há nada que valha a pena (no suicídio)”.

Assim, para os que querem ajudar, assistam com acuidade e presença, estejam atentos aos detalhes. Procure identificar se você conhece alguém que esteja passando pelos mesmos problemas, tendo comportamentos semelhantes e dando os mesmos sinais. Segundo algumas reflexões abordadas, a questão é: precisamos ressignificar a forma como nos tratamos uns aos outros, precisamos melhorar essas relações e a estrutura familiar. Caso não possamos melhorar ou mudar a estrutura familiar, podemos melhorar a nós mesmos e recomeçarmos.

Lembre-se: por mais difícil que possa parecer, por mais vazio que possa estar, por mais indecifrável que seja o sentimento, por mais escuro que possa parecer o caminho, sempre existe uma saída, sempre existe uma escolha que leva a uma solução. A Vida sempre convida a celebrá-la e nunca desiste de ninguém, porque enquanto estamos vivos, temos a vida vibrando dentro de nós, mesmo que não possamos senti-la a todos momento. Ainda assim, ela está lá.

Seja forte, seja corajoso, fale sobre isso: o que de fato nos cura é podermos falar sobre os nossos sentimentos, não trancafiá-los à sete chaves numa gaveta dentro de nós e jogar a chave fora. Vá em frente, encontre um sentido para viver. Se não tiver um, construa e crie um sentido para se reconectar com a vida, e se não conseguir sozinho, busque ajuda. Você será sempre aquele por quem você tem esperado, portanto, faça o melhor por você, espere o melhor de você, sempre! E “o melhor” de você não são os “rótulos” que você recebe, mas as escolhas que você faz ao acordar todos os dias para ser o que você é, a escolha de ser digno por estar vivo! Um grande e carinhoso abraço! ❤

Por Luciane Strähuber – Educação Terapêutica Integrativa

ONDE BUSCAR AJUDA

> Centro de Valorização da Vida
Oferece ajuda por telefone, chat, skype, e-mail e presencialmente
Telefones 141 (24 horas, para todo o país) e 188 (gratuito, apenas para o RS)
www.cvv.org.br

facebook.com/cvv141

> Programa de Depressão na Infância e Adolescência, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, tem limitações de atendimento, mas é possível pedir encaminhamento para lá em qualquer posto de saúde pública. O Setor presta atendimento para bebês, crianças e adolescentes, de zero a 18 anos, e suas famílias.

Contato: Serviço de Psiquiatria da Infância e da Adolescência – Local: 4° andar – sala 400N/ Horário: de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h30/ Telefone: (51) 3359.8413/ Secretária: Clarissa Paim (cfpaim@hcpa.edu.br)/ Chefia: profª. Ana Soledade Graeff Martins (anamartins@hcpa.edu.br)

SITES COM ORIENTAÇÃO

> Setembro Amarelo
Movimento Conte Comigo
Associação Brasileira de Estudos e Prevenção ao Suicídio
> Cartilha Suicídio: Informando para prevenir/ Produzida pela Associação Brasileira de Psiquiatria e do Conselho Federal de Medicina. Disponível no site do CVV, na aba Conheça Mais ou em zhora.co/cartilha-prevenir  

Filmes, Vídeos e Documentários, Matérias, Terapias Integrativas

Constelação Familiar: Encontrando o seu lugar na Árvore Ancestral da Vida

“Somente quando estamos em sintonia com o nosso destino, com os nossos pais, com as nossas origens e tomamos nosso lugar, temos a força (…) Quando falamos em sistema familiar, as pessoas estão para os órgãos assim como o sistema familiar está para o nosso corpo. Dentro da família, cada um tem seu lugar, assim como os órgãos. O sangue leva tudo para os órgãos e, no sistema familiar, o que mantém os vínculos entre os integrantes da família é o amor.” (Bert Hellinger)

Constelação Familiar é um método psicoterapêutico com abordagem sistêmica não empirista ou subjetiva, desenvolvido pelo psicoterapeuta alemão Bert Hellinger, que elaborou suas inerentes “Ordens do Amor”, um lindo conceito para compreendermos o sistema familiar em que estamos inseridos. Essa técnica utiliza pessoas desconhecidas do cliente para interpretar sua família, de forma a reconstruir a árvore genealógica, o que permite localizar e remover bloqueios do fluxo amoroso de qualquer geração ou membro familiar, permitindo que a pessoa encontre e tome o seu real lugar nesta hierarquia geracional.

Pode ser realizada em grupo – ou individualmente, com utilização de bonecos, figuras ou outras formas de abordagem do terapeuta. A terapia se dá através da reunião do terapeuta, do cliente e de um grupo de pessoas que são convidadas a representar membros da sua família. A sessão tem início quando o cliente manifesta a questão que quer trabalhar e escolhe representantes para seus familiares.

Conheço o trabalho de Constelação Familiar desde 2008 e, ao longo de anos, venho indicando-o a todos que conheço. Após ter vivenciado inúmeras experiências em grupo e individuais, auxiliando e sendo auxiliada, presenciando amigos, pacientes, conhecidos e colegas que também constelaram, vejo o quanto esta técnica terapêutica é profunda, intensa e eficaz, um grande passo que podemos dar em nossa jornada evolutiva para que possamos trazer a clareza e o entendimento sobre todas as partes de nós mesmos. Percebo sua eficácia na brevidade das sessões terapêuticas que logo apresentam resultados, um trabalho capaz de identificar a origem de muitos dos “males” que nos afligem e, através da frequência do amor, desatar nós, trazer a compreensão de coisas não resolvidas e abrir novas portas para o futuro.

Muitas dificuldades pessoais, bloqueios emocionais, padrões inconscientes, comportamentos e problemas de relacionamento são resultado de confusões nos sistemas familiares. Esta confusão ocorre quando incorporamos em nossa vida – sem que queiramos ou que tenhamos consciência – o destino de outra pessoa ou de alguém que já viveu no passado, não importa quanto tempo tenha partido. Isto nos faz repetir “o destino” dos membros familiares que foram excluídos, esquecidos ou não reconhecidos no lugar que lhes pertencia, de forma que podemos passar a viver uma vida que não seja de fato o nosso real propósito.

A meta desta abordagem é “unir o que está neuroticamente separado e separar o que está neuroticamente unido”, encontrando o ponto de equilíbrio. Isso significa resolver envolvimentos desarmônicos, separar o que estava “misturado” e incluir partes que anteriormente estavam excluídas, permitindo que o cliente alcance a integração em um nível mais elevado.

A Constelação se baseia na existência de uma consciência familiar que “rege” nossos destinos, ou seja, cada vez que uma das ordens desta consciência é quebrada, ela age no sistema familiar através de seus membros para que haja uma compensação. Uma destas ordens é o direito ao pertencimento: todos, no sistema familiar, têm o mesmo direito de pertencer.

Isto implica que, cada vez que alguém é excluído do sistema – normalmente por questões morais – a consciência familiar escolhe um membro de uma geração posterior ao excluído para que tenha um destino semelhante e difícil. Crianças abortadas, criminosos, alcoólatras, doentes mentais, prostitutas, filhos ilegítimos, todos se enquadram neste grupo de excluídos. Somente quando estas pessoas são reconhecidas e incluídas no coração da família, aquele que estava identificado com o excluído pode seguir seu próprio destino livremente.

O trabalho sistêmico vem a partir da concepção da vida, do fluir no desenvolvimento natural. Estamos inseridos dentro de um grande sistema contínuo, de diversos elementos que se interagem e, de certa forma, são interdependentes uns com os outros. Segundo Bert Hellinger, cada um de nós é um sistema e, por essa razão, nenhum organismo é um sistema estático, fechado ao mundo exterior, mas sim um sistema aberto, onde há uma constante troca de informações entre os mais diversos níveis de nosso ser.

Nascemos dentro de um sistema familiar, que existe há muitos anos e onde não sabemos direito o seu histórico completo. Foram gerações atrás de gerações com muitas histórias, acontecimentos, situações felizes, tristes e até mesmo trágicas. Herdamos através dos nossos pais e ancestrais toda a carga morfogenética e não nos damos conta dos padrões, das crenças e até mesmo das repetições de estórias dentro da nossa família. Com isso, a Constelação Sistêmica Familiar quebra esses círculos viciosos. Revela os mecanismos inconscientes do nosso comportamento e as influências externas. Quando essas influências se mostram nas constelações, o indivíduo recupera seu poder de fazer escolhas, se torna mais livre e produtivo.

Uma outra ordem abordada é a de precedência. Significa que quem vem antes dá e quem vem depois recebe; quem vem primeiro tem prioridade. Quando alguém toma o lugar de outro que o precede, o sistema familiar entra em desequilíbrio. Um filho que assume “ares” de pai, um irmão caçula que se arroga direitos de primogênito, um filho que toma para si os problemas dos pais e os coloca em julgamento, são alguns perturbadores desta ordem. Durante a Constelação Familiar, estas dinâmicas ocultas afloram de maneira surpreendente.

Portanto, a Constelação nos traz a oportunidade de identificarmos, de forma consciente, o que está acontecendo com o sistema familiar e onde estamos posicionados – de forma equilibrada ou não – podendo assim resolver conflitos a partir da escolha interna de cada um. Podemos constelar para ajudar em conflitos familiares relativos a pais, filhos, irmãos, tios, avós, bisavós…, conflitos entre casais, dificuldade em lidar com perdas de parentes, pessoas queridas ou parceiros, dificuldade em relacionar-se de uma forma geral, dificuldade em comunicar-se, problemas de saúde, conflitos entre sócios, funcionários e clientes, dificuldades ou perdas financeiras, entre outros temas.

Uma analogia interessante sobre a Constelação foi descrita no blog de uma terapeuta consteladora, uma descrição que considero perfeita para explicar como nos sentimos numa experiência como esta: “(…) a todo instante, milhares de ondas de rádio cruzam o espaço sem que possamos acessá-las. Assim que um aparelho de rádio é ligado e uma determinada freqüência é escolhida, passamos a ouvir imediatamente sua programação. No caso das constelações familiares, o membro da família é o responsável por ‘autorizar’ que a freqüência de sua família seja sintonizada e possa ser captada no ambiente. A partir de como os representantes se sentem e se movimentam, é possível perceber os emaranhados com clareza, dando início à sua dissolução (…) Neste momento, instala-se no ambiente um ‘campo’ que traz à luz aquilo que está atuando em seu sistema familiar.”

Penso que todas as pessoas, em algum momento da vida, deveriam passar por essa experiência porque é simplesmente única e intransferível, e mesmo que estejamos apenas representando o familiar de alguém, certamente sempre estaremos vendo neste “papel”, nesta personalidade, algo sobre nós mesmos que ainda precisaremos modificar e evoluir.

É um trabalho sem precedentes e com resultados visíveis, indicado para qualquer pessoa ou caso, para que cada um se sinta pertencendo, no seu lugar, seja no trabalho, nas parcerias, nos relacionamentos, seja no amor, na prosperidade e na vida. Ocupar o lugar na hierarquia do sistema familiar nos coloca novamente em sintonia com o fluir da vida e com o nosso destino. Portanto, se você se identificou com esta matéria, se essas palavras ressoaram dentro de você, procure um Constelador. Constele! 😉

Assista a Reportagem do Programa Fantástico, de 14/05/2017: A reportagem mostrou como tribunais brasileiros estão usando a técnica de Constelação Familiar – Direito Sistêmico – para facilitar a mediação de conflitos, principalmente na Vara de Família, em questões como pensão e guarda de filhos. A ideia é humanizar a Justiça e aumentar a porcentagem de solução dos casos.

 

 

 

Artigos, Orgânicos: Produtos e Alimentação, Sustentabilidade Ambiental, Terapias Integrativas, Xamanismo

Purificadores de Ambientes Kaeté: a força da terra, o perfume da vida!

Baseadas na Alquimia e na terapêutica integrada e holística, incluindo conhecimentos da fitoterapia e fitoenergética, aromaterapia e aromatologia, florais, cristalterapia, cromoterapia e um processo alquímico próprio, surgiram as 7 fórmulas da Linha Floral dos Purificadores de Ambientes KAETÉ, inspiradas para trazer equilíbrio, harmonia, bem estar, relaxamento, criatividade, vitalidade, prosperidade e energia para você e qualquer ambiente!

Os Purificadores da Linha Floral são suaves, sutis, marcantes e possuem composições multi-aromáticas. São elaborados com bases de 7 ervas e substâncias orgânicas, óleos essenciais e aromáticos, contendo fórmulas florais próprias que somam os aspectos individuais de cada putificador, sintonizados a reinos e dimensões da natureza que os complementam. Conheça os Purificadores da Linha Floral aqui!

Já a Linha Xamânica dos Purificadores de Ambientes KAETÉ surgiu com o intuito de guiar você numa jornada interior e conectá-lo ao Espírito ou Consciência Sagrada dos Animais: a Medicina Ancestral dos Animais de Poder honrada e respeitada há milênios pelos Xamãs e povos indígenas da Terra.

Para a criação da fórmula de cada Purificador foi elaborada uma Alquimia própria, sintonizada à cada animal: o Lobo, a Tartaruga, o Puma e a Águia, de acordo com seu habitat natural, seu ponto de força na natureza, sua consciência grupal espiritual, seu elemento alquímico e a direção que o rege na roda sagrada da Vida.

Todos os Purificadores Xamânicos possuem aromas marcantes e exóticos. São elaborados com bases de ervas específicas e substâncias orgânicas, óleos essenciais e fórmulas florais próprias que somam os aspectos regentes de cada animal, sintonizados a reinos e dimensões da natureza que os complementam. Conheça os Purificadores da Linha Xamânica aqui!

Para tornar essa experiência ainda mais profunda, cinestésica e meditativa, foram criadas trilhas sonoras sintonizadas à energia e à consciência de cada animal, compondo este bellíssimo CD que chega até suas mãos com todo amor e dedicação! Clique na imagem e saiba mais.

>> Clique na imagem abaixo e conheça também nossas obras de arte! Escolha e encomende a sua! 😉

Linha Xamânica 0 - Pintura (Todos com moldura)

Inspire-se na Medicina Sagrada, Ancestral e Alquímica destas fórmulas únicas! Permita-se aprofundar numa jornada interior, entregando-se à essa experiência aromática, curativa, meditativa, sonora e musical! Que o espírito e a consciência dos Elementais, dos Devas e dos Animais de Poder guiem sua jornada evolutiva! Boa Viagem pelos caminhos da alma! 😉