Song of the Sea (O Canto do Mar): pele de foca, pele da alma!

song-of-the-sea-poster

ASSISTA O TRAILER LEGENDADO AQUI: https://youtu.be/OIuLenuS4xI

CANÇÃO E LETRA (YOU TUBE): https://youtu.be/q6wVijh2n9g

Esta admirável, emocionante e imersiva obra irlandesa faz alusão a um maravilhoso Conto de Fadas citado no livro Mulheres que Correm com os Lobos, de Clarissa Pínkola: Pele de Foca, Pele de Alma, nos lembrando da necessidade primeira que todas nós mulheres temos de cuidar da nossa alma, da nossa “pele de foca”, como uma necessidade fisiológica, pois esta “pele da alma” é que nos nutre, alimenta, transforma e cura! É ela que nos conecta ao mundo do nosso Self e que nos lembra de retornar a ele sempre que nos afastamos por algum motivo, enquanto também navegamos pelo rio da vida. É ela que nos sintoniza à nossa “mulher selvagem”, aos nossos instintos e percepções extra-físicas junto ao mundo da nossa alma e da nossa psique saudável e harmônica. É mantendo esta pele hidratada e nutrida, dentro do habitat natural onde podemos Ser o que somos sem receios, expressando nossos dons e realizando coisas que nos tragam alegria, prazer, amor, silêncio mental e paz de espírito que poderemos, sempre, nos transformar, transcender e renascer!

Song of the Sea é um filme de animação tradicional cuja produção iniciou logo após o lançamento de The Secret of Kells (2009), do mesmo diretor, estreando no Toronto International Film Festival, em 6 de Setembro de 2014, no programa TIFF Kids, indicado ao Oscar de Melhor Característica Animated nas concessões 87 Academy (2015). Além disso, a trilha sonora é linda e mágica, com algumas músicas produzidas pela cantora irlandesa Lisa Hannigan.

A história, baseada no antigo mito celta da Selkie diz respeito a duas crianças, Ben e Saoirse, que vivem em um farol com seu pai, Conor, o qual permanece abalado com a perda de sua esposa há vários anos. Embora Ben esteja ciente da responsabilidade que existe em ser o irmão mais velho, ele é facilmente frustrado com Saoirse, que, aos seis anos de idade ainda não consegue pronunciar uma única palavra. Quando Saoirse descobre uma flauta shell que pertenceu a sua mãe, a música fascinante que ela cria se torna tanto um meio de comunicação como a chave para um segredo mágico escondido no fundo do passado de sua mãe. As histórias antigas de sua mãe passam a fazer muito sentido para Ben e sua irmã, Saoirse, detém o poder de manter estes contos vivos através da expressão de sua voz e a superação de seus medos mais profundos.

Numa visão terapêutica do filme, fazendo uma analogia ao referido conto do livro de Clarissa, acredito que todas nós mulheres necessitamos, em muitos momentos de nossas vidas, priorizar um tempo para cuidarmos de nós, do nosso corpo, da nossa mente, da nossa alma, deixando para trás, pelo período que nos for salutar e necessário, família, marido, namorado, filhos, cachorro, gato, trabalho, amigos, conhecidos, sociedade, preocupações…o mundo lá fora…para estarmos dentro de nós, no nosso mundo interior, para nos curarmos, nos reestruturarmos, nos energizarmos e nos reencontrarmos, seja pelo brado da nossa mulher selvagem, seja pela antiga dança de nossas ancestrais que se encontram no mundo da alma e seu pulsar de Luz e vida em nossa memória celular, nos dando apoio e suporte para que possamos sempre retornar ao nosso centro de amor, de sabedoria, de força e verdade! Que cada uma, a partir de sua própria experiência e realidade de vida, possa se identificar com algum aspecto narrado nestas histórias para renascer mais uma vez, no aqui e no agora, honrando a si e às suas gerações passadas! Sempre é hora de recomeçar! 😉

A história que refere-se ao conto do livro Mulheres que Correm com os Lobos, transcrevo abaixo para quem desejar aprofundar sua experiência junto ao filme e resgatar o poder do feminino sagrado que reside dentro de si, de sua alma, do seu ventre, do seu coração!

“Houve um tempo, que passou para sempre e que irá logo estar de volta, em que um dia corre atrás do outro, de céus brancos, neve branca e todos os minúsculos pontinhos escuros ao longe são pessoas, cães ou ursos. Nesse lugar, nada viceja gratuitamente. Os ventos são fortes, e as pessoas se acostumaram a trazer consigo seus parkas, mamleks e botas, já de propósito. Nesse lugar, as palavras se congelam ao ar livre, e frases inteiras precisam ser arrancadas dos lábios de quem fala e descongeladas junto ao fogo para que as pessoas possam ver o que foi dito. Nesse lugar, as pessoas vivem na basta cabeleira da velha Annuluk, a avó, a velha feiticeira que é a própria Terra. E foi nessa terra que vivia um homem, um homem tão solitário que, com o passar dos anos, as lágrimas haviam aberto fundos abismos no seu rosto.

Ele tentava sorrir e ser feliz. Ele caçava. Colocava armadilhas e dormia bem. No entanto, sentia falta de companhia. Às vezes, lá nos bancos de areia, no seu caiaque, quando uma foca se aproximava, ele se lembrava de antigas histórias sobre como as focas haviam um dia sido seres humanos e como o único remanescente daqueles tempos estava nos seus olhos, que eram capazes de retratar expressões, aquelas expressões sábias, selvagens e amorosas. Às vezes ele sentia nessas ocasiões uma solidão tão profunda que as lágrimas escorriam pelas fendas já tão gastas no seu rosto.

Uma noite ele caçou até depois de escurecer, mas sem conseguir nada. Quando a lua subiu no céu e as banquisas de gelo começaram a reluzir, ele chegou a uma enorme rocha malhada no mar e seu olhar aguçado pareceu distinguir movimentos extremamente graciosos sobre a velha rocha. Ele remou lentamente e com os remos bem fundos para se aproximar, e lá no alto da rocha imponente dançava um pequeno grupo de mulheres, nuas como no primeiro dia em que se deitaram sobre o ventre da mãe. Ora, ele era um homem solitário, sem nenhum amigo humano a não ser na lembrança — e ele ficou ali olhando. As mulheres pareciam seres feitos de leite da lua, e sua pele cintilava com gotículas prateadas como as do salmão na primavera. Seus pés e mãos eram longos e graciosos.

Elas eram tão lindas que o homem ficou sentado, atordoado, no barco, e a água nele batia, levando-o cada vez mais para junto da rocha. Ele ouvia o riso magnífico das mulheres… pelo menos elas pareciam rir, ou seria a água que ria às margens da rocha? O homem estava confuso, por se sentir tão deslumbrado. Entretanto, dispersou-se a solidão que lhe pesava no peito como couro molhado e, quase sem pensar, como se fosse seu destino, ele saltou para a rocha e roubou uma das peles de foca ali jogadas. Ele se escondeu por trás de uma saliência rochosa e ocultou a pele de foca dentro de sua parka.

Logo, uma das mulheres gritou numa voz que era a mais linda que ele já ouvira… como as baleias chamando na madrugada… ou não, talvez fosse mais parecida com os lobinhos recém-nascidos caindo aos tombos na primavera… ou então, não, era algo melhor do que isso, mas não fazia diferença porque… o que as mulheres estavam fazendo agora? Ora, elas estavam vestindo suas peles de foca, e uma a uma as mulheres-focas deslizavam para o mar, gritando e ganindo de felicidade. Com exceção de uma. A mais alta delas procurava por toda a parte a sua pele de foca, mas não a encontrava em lugar nenhum. O homem sentiu-se estimulado — pelo quê, ele não sabia. Ele saiu de trás da rocha, dirigindo um apelo a ela: —  Mulher… case-se… comigo. Sou um… homem… sozinho. —  Ah — respondeu ela. — Eu não posso me casar, porque sou de outra natureza, pertenço aos que vivem temeqvanek, lá embaixo. —  Case-se… comigo — insistiu o homem.  — Em sete verões, prometo lhe devolver sua pele de foca e você poderá ficar ou ir embora, como preferir. A jovem mulher-foca ficou olhando muito tempo o rosto do homem com olhos que, se não fossem suas origens verdadeiras, pareciam humanos. —  Irei com você — disse ela, relutante. — Dentro de sete verões, tomaremos a decisão.

E assim, com o tempo, tiveram um filho a quem deram o nome de Ooruk. A criança era ágil e gorda. No inverno, a mãe contava a Ooruk histórias de seres que viviam no fundo do mar enquanto o pai esculpia um urso em pedra branca com uma longa faca. Quando a mãe levava o pequeno Ooruk para a cama, ela lhe mostrava pelo buraco da ventilação as nuvens e todas as suas formas. Só que, em vez de falar das formas do corvo, do urso e do lobo, ela contava histórias da vaca-marinha, da baleia, da foca e do salmão… pois eram essas as criaturas que ela conhecia. No entanto, à medida que o tempo foi passando, sua pele começou a ressecar. A princípio, ela escamou e depois passou a rachar. A pele das suas pálpebras começou a descascar. O cabelo da sua cabeça, a cair no chão. Ela se tornou naluaq, do branco mais pálido. Suas formas arredondadas começaram a definhar. Ela procurava esconder seu caminhar claudicante. A cada dia seus olhos, sem que ela quisesse, iam ficando mais opacos. Ela passou a estender a mão para tatear porque sua vista estava escurecida.

E as coisas iam dessa forma até uma noite em que o menino Ooruk despertou ouvindo gritos e se sentou ereto nas cobertas de pele. Ele ouviu um rugido de urso, que era seu pai repreendendo a mãe. Ouviu, também, um grito como o da prata que ressoa com uma pedra, que era sua mãe. —  Você escondeu minha pele de foca há sete longos anos, e agora está chegando o oitavo inverno. Quero que me seja devolvido aquilo de que sou feita — gritou a mulher-foca. —  E você, mulher — vociferou o marido. — Você me deixará se eu lhe der a pele. —  Não sei o que eu faria. Só sei que preciso daquilo a que pertenço. —  E você me deixaria sem mulher, e a seu filho, sem mãe. Você é má. Com essas palavras, o marido afastou com violência a pele da porta e desapareceu noite adentro. 

O menino adorava a mãe. Ele tinha medo de perdê-la e, por isso, chorou até dormir… só para ser acordado pelo vento. Um vento estranho… que parecia chamá-lo.—  Oooruk, Ooorukkkk. Ele pulou da cama, tão apressado que vestiu o parka de cabeça para baixo e só puxou os mukluks até a metade. Ao ouvir seu nome chamado insistentemente, ele saiu correndo na noite estrelada. —  Ooooooorukkk. O menino correu até o penhasco de onde se via a água e lá, bem longe no mar encapelado, estava uma foca prateada, imensa e peluda… Sua cabeça era enorme. Seus bigodes lhe caíam até o peito. Seus olhos eram de um amarelo forte. —  Ooooooorukkk. 

O menino foi descendo o penhasco de qualquer jeito e bem junto à base tropeçou numa pedra, não, numa trouxa, que rolou de uma fenda na rocha. O cabelo do menino fustigava seu rosto como milhares de açoites de gelo. —  Ooooooorukkk. O menino abriu a trouxa e a sacudiu: era a pele de foca da sua mãe. Ah, ele sentia seu perfume na pele inteira. E, enquanto mergulhava o rosto na pele de foca e respirava seu cheiro, a alma da mãe penetrava nele como um súbito vento de verão. —  Ah — exclamou ele com alegria e dor, e levou novamente a pele ao rosto. Mais uma vez, a alma da mãe passou pela dele. — Ah!!! — gritou ele de novo, porque estava sendo impregnado pelo amor infindo da mãe. E a velha foca prateada ao longe mergulhou lentamente para debaixo d’água.

O menino escalou o penhasco, voltou correndo para casa com a pele de foca voando atrás dele e se jogou para dentro de casa. Sua mãe contemplou o menino e a pele e fechou os olhos, cheia de gratidão pelo fato de os dois estarem em segurança. Ela começou a vestir sua pele de foca. —  Ah, mãe, não! — gritou o menino. Ela apanhou o menino, ajeitou-o debaixo do braço e saiu correndo aos trambolhões na direção do mar revolto. —  Ai, mamãe, não me abandone! — implorava Ooruk. E logo dava para se ver que ela queria ficar com o filho, queria mesmo, mas alguma coisa a chamava, algo que era mais velho do que ele, mais velho do que ela, mais antigo que o próprio tempo. 

—  Ah, mamãe, não, não, não — choramingou a criança. Ela se voltou para ele com uma expressão de profundo amor nos olhos. Segurou o rosto do menino nas mãos e soprou para dentro dos pulmões do menino seu doce alento, uma vez, duas, três vezes. Depois, com o menino debaixo do braço como uma carga preciosa, ela mergulhou bem fundo no mar e cada vez mais fundo. A mulher-foca e seu filho não tinham dificuldade para respirar debaixo d’água. Eles nadaram muito para o fundo até que entraram no abrigo subaquático das focas, onde todos os tipos de criaturas estavam jantando e cantando, dançando e conversando, e a enorme foca prateada que havia chamado Ooruk de dentro do mar da noite abraçou o menino e o chamou de neto.

—  Como você está se saindo lá em cima, minha filha? — perguntou a grande foca prateada. A mulher-foca afastou o olhar e respondeu: —  Magoei um ser humano… um homem que deu tudo para que eu ficasse com ele. Mas não posso voltar para ele, porque, se o fizer, estarei me transformando em prisioneira. —  E o menino?  — perguntou a velha foca.  — Meu neto? — Ele estava tão orgulhoso que sua voz tremia. —  Ele tem de voltar, meu pai. Ele não pode ficar aqui. Ainda não chegou o seu tempo de ficar conosco. — Ela chorou. E juntos eles choraram.

E assim passaram-se alguns dias e noites, exatamente sete, período durante o qual voltou o brilho aos cabelos e aos olhos da mulher-foca. Ela adquiriu uma bela cor escura, sua visão se recuperou, seu corpo voltou às formas arredondadas, e ela nadava com agilidade. Chegou, porém, a hora de devolver o menino à terra. Nessa noite, o avô-foca e a bela mãe do menino nadaram com a criança entre eles. Vieram subindo, subindo de volta ao mundo da superfície. Ali eles depositaram Ooruk delicadamente no litoral pedregoso ao luar: —  Estou sempre com você — afiançou-lhe sua mãe. — Basta que você toque algum objeto que eu toquei, minhas varinhas de fogo, minha ulu, faca, minhas esculturas de pedra de focas e lontras, e eu soprarei nos seus pulmões um fôlego especial para que você cante suas canções. A velha foca prateada e sua filha beijaram o menino muitas vezes. Afinal, elas se afastaram, saíram nadando mar adentro e, com um último olhar para o menino, desapareceram debaixo d’água. E Ooruk, como ainda não era a sua hora, ficou.

Com o passar do tempo, ele cresceu e se tornou um famoso tocador de tambor, cantor e inventor de histórias. Dizia-se que tudo isso decorria do fato de ele, quando menino, ter sobrevivido a ser carregado para o mar pelos enormes espíritos das focas. Agora, nas névoas cinzentas das manhãs, ele às vezes ainda pode ser visto, com seu caiaque atracado, ajoelhado numa certa rocha no mar, parecendo falar com uma certa foca fêmea que freqüentemente se aproxima da orla. Embora muitos tenham tentado caçá-la, sempre fracassaram. Ela é conhecida como Tanqigcaq, a brilhante, a sagrada, e dizem que, apesar de ser foca, seus olhos são capazes de retratar expressões, aquelas expressões sábias, selvagens e amorosas”.

Luciane Strähuber – Educadora Holística

 

Anúncios

Sobre Wohali Terapias

Educação Terapêutica Integrada

Publicado em 7 de abril de 2015, em Feminino Sagrado, Filmes, Vídeos e Documentários. Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

  1. amei o texto, assim são as historias que temos internamente, dentro, bem no fundo da alma, elas nos mostram nossas raízes.. gratidão amiga!!!1

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: